Alexandre Porto
SOLAR DO JAMBEIRO, O TEMPO PRESERVADO EM MUITA BELEZA



Memória, 01 de novembro de 1987)

O espaço apresenta um mostra com os quadros do pointor Antonio Parreiras

Numa rua de trânsito intenso - rua Presidente Domiciano, no Bairro de São Domingos em Niterói - a tranquilidade reina numa mansão de 8 mil metros quadrados, construída em 1872. É o Solar do Jambeiro residência do casal Hugo Einer Georg Egon Falkenberg e Lúcia Falkenberg, descendentes diretos do diplomata dinamarquês George Christian Bartholdy, que em 1892 comprou o Solar para residir com a família.

Tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional há 13 anos, o centenário solar que foi erguido por um português de bom gosto, Bento Joaquim Alves Pereira, que estranhamente nunca o habitou, foi residência do médico Júlio de Magalhães Calvet e lá, o pintor Antonio Parreiras expôs pela primeira vez. No solar de 20 cômodos, quatro amplos salões decorados com requinte, misturam-se objetos de arte de vários países. Convivem com elegância, os telhões e os azulejos portugueses e mais outros objetos de arte ingleses, dinamarqueses, franceses, espanhóis, portugueses e brasileiros.

Predomina, sobretudo, na amplitude dos quartos e salões e nas amplas varandas frescas e acolhedoras, o estilo colonial brasileiro. No solar também é preservado o mesmo ritmo de vida do início do século, quando a família Bartholdy, depois de alugá-lo algumas vezes, resolveu nele se instalar. Isso ocorreu em 1916. Assim, o tanque de pedra esnoba a máquina de lavar roupa, ferros de engomar antigos desconhecem os de eletricidade e nenhuma janela apresenta-se estufada com os monstrengos ar condicionados. Desnecessários. Em todos os ambientes aragem circula fresca, vinda das frondosas árvores que circundam o casarão. Entre elas, imponente com seus longos galhos e frutos vermelhos o centenário pé de jambo com placa comemorativa.

Vindo de São Paulo onde morava, o casal Egon e Lúcia Falkenberg mora no Solar há 5 anos. Os quatro filhos e sete netos continuam residindo em São Paulo, mas aqui vêm todos os anos em férias. Há um ano e meio, Lúcia fundou o Colégio Fluminense de Cultura e Patrimônio Pró-Niterói, entidade sem fins lucrativos, com o intuito de promover eventos culturais e artísticos.

No momento, sob o patrocínio do Moinho Fluminense, comemorando 100 anos de atividade, acontece a exposição de 100 quadros do pintor Antônio Parreiras que - justamente há 100 anos fazia no Solar sua primeira individual. Na exposição, muito bem organizada, viaja-se pelo tempo nas telas do pintor. Ele soube retratar o bucolismo do Rio e Niterói de seu tempo de horas longas e inspiração sobrando. Entre as obras expostas um quadro raro. No outro lado da Baía de Guanabara, o Rio de Janeiro, estão o Pão de Açúcar e o Corcovado, o primeiro sem o bondinho, o segundo, sem o Cristo Redentor.

Por Bernardete Cavalcanti para o Jornal do Commercio

Nota: O pintor Antonio Parreiras já havia realizado exposições individuais antes desta citada de 1887, na Casa da rua Presidente Domiciano, onde morou até partir para sua temporada na Itália. A primeira mostra do pintor foi realizada em 1883, na casa da rua Santa Rosa, onde morava com sua mãe.



Publicado em 06/05/2021









Informes da Câmara Municipal ao Capitão-mor Gabriel Alves Carneiro
Gabriel Alves Carneiro responde ao Presidente da Província
Ação de desapropriação do Campo de D. Helena


aaaaaa

Com formação em Engenharia Florestal, eu, Alexandre Porto, já fui produtor orgânico de alimentos e apicultor, mas hoje ganho a vida como escriba (Enciclopaedia Britannica do Brasil, Fundação de Arte de Niterói). Há 20 anos me dedico a pesquisar a História de Niterói, minha cidade natal, do Vasco, meu incompreendido time de futebol, e da Música Popular Brasileira, minha cachaça. Por 15 anos mantive uma pioneira rádio online no Brasil, a "Radinha". Pra quem quiser me encontrar nas redes, seguem os links:
Facebook e Twitter