Alexandre Porto
FUNDAÇÃO DE NITERÓI – O DEBATE: INTRODUÇÃO



Em 1973, Niterói se preparava para comemorar em grande estilo, o quarto centenário da cidade, fundada, segundo a história mais conhecida, pelo índio Temiminó Araribóia, batizado Martim Afonso de Souza. Em um artigo publicado em 21 de maio daquele ano, o historiador Emmanuel de Bragança, ou De Macedo Soares, como passou a assinar mais tarde - que estava escrevendo seu primeiro livro sobre a história da cidade - fez uma afirmação que gerou bastante polêmica entre os leitores do jornal O Fluminense.

Emmanuel comemorava no artigo "Iniciativa Oportuna", a criação, pela Comissão do IV centenário de Niterói, a criação de um Curso de Interpretação da História de Niterói, ministrado pelos professores Arthur Cesar Ferreira Reis, José Honório Rodrigues e Damo Barreto. No terceiro parágrafo Emmanual soltou essa:

    "A primeira afirmação séria que se pode fazer, em relação à história de Niterói, é que não há quarto centenário algum a comemorar-se neste 1973. Quem se aprofundar um pouco mais no estudo desse tema apaixonante e tão desastrosamente abordado, quando abordado, vai deparar com realidades ainda mais chocantes. Por exemplo: Arariboia não fundou coisa alguma, em lugar nenhum, e, provavelmente, jamais esteve neste lado da baía de Guanabara. E a tão decantada Aldeia do outeiro de São Lourenço não teve nenhuma função na vida da cidade. Ao contrário: ela foi sempre uma ilha de atraso e primitivismo, em meio ao desenvolvimento sempre crescente de outros núcleos de colonização, hoje transformados em bairros, distritos e até cidades autónomas, como é o caso de São Gonçalo. Assim, as origens de Niterói submergem numa névoa impenetrável de lendas e mais lendas, repetidas de boca em boca e de livro em livro. Resta o que veio depois, isto é, a análise do desenvolvimento da chamada Praia Grande, nos séculos XVII, XVIII e XIX, e só a isto é que podemos chamar realmente de História. "


Em edições posteriores, o próprio Emmanuel e o historiador José Inaldo, brindaram os leitores do jornal com um rico e acalorado debate sobre o tema. E é o que vamos mostrar nesse especial.


(1) Introdução
(2) Emmanuel de Bragança: Verdades (Mal Comportadas) Sobre a Fundação de Niterói
(3) José Inaldo: Niterói quatrocentão mesmo - reparos e achegas a um artigo
(4) Emmanuel de Bragança: Mistificação em torno de verdades amargas
(5) José Inaldo: Da Batalha de Irararé ao Motivo secreto
(6) Aguarde o último capítulo



Publicado em 29/03/2022









Informes da Câmara Municipal ao Capitão-mor Gabriel Alves Carneiro
Gabriel Alves Carneiro responde ao Presidente da Província
Ação de desapropriação do Campo de D. Helena


aaaaaa

Com formação em Engenharia Florestal, eu, Alexandre Porto, já fui produtor orgânico de alimentos e apicultor, mas hoje ganho a vida como escriba (Enciclopaedia Britannica do Brasil, Fundação de Arte de Niterói). Há 20 anos me dedico a pesquisar a História de Niterói, minha cidade natal, do Vasco, meu incompreendido time de futebol, e da Música Popular Brasileira, minha cachaça. Por 15 anos mantive uma pioneira rádio online no Brasil, a "Radinha". Pra quem quiser me encontrar nas redes, seguem os links:
Facebook e Twitter